4 dicas para evitar a negligência virtual

Na última semana, o blog do Clube da Robótica publicou texto sobre a chamada Negligência Virtual, termo usado para falar do “abandono” dos pais quanto ao conteúdo da conexão dos filhos.

O tema vem pautando diversas discussões entre educadores, devido aos perigos que a web possui. Mas, mesmo com todo o perigo, vimos, por meio de pesquisas, que o número de pais que não sabem por onde seus filhos navegam é elevadíssimo. Mas há maneiras simples de se evitar a negligência virtual.

Sabemos que a situação em que estamos vivenciando é propícia para que cada vez mais crianças e jovens fiquem conectados. Filhos no mundo virtual e pais atolados de trabalho. Essa equação é propícia para que aconteça o abandono na internet. Muitas vezes sem que os pais percebam dos riscos em que expõe seus filhos.

Por isso, hoje vamos falar sobre algumas ações em que os pais podem tomar para evitar a negligência virtual. Acompanhe

1. Um bom diálogo

Pode parecer ineficiente para alguns, mas, especialistas garantem que um bom diálogo entre pais e filhos é o ponto chave para evitar a negligência virtual. Ao iniciar a vida na web, a criança já deve saber sobre os riscos a que estará exposta. Assim como falamos sobre os riscos a que estão expostos nas ruas há a necessidade de falarmos sobre o ambiente virtual.
“Não aceite nada e não converse com estranhos”; “Olhe para os dois lados ao atravessar a rua”… Frases como essas são comuns no dia a dia de pais e filhos. E todos conhecem a importância delas. Cabe aos pais inserir novas, e mais adequadas à realidade dos filhos. “Não converse com estranhos” deve continuar na pauta, mesmo na web.

2. Conheça a realidade dos filhos

Jogos, animes, youtubers, vídeos… Mesmo que os pais não se interessem pelo mesmo conteúdo dos filhos, é importante saber onde e em que eles estão ligados. Desta maneira até mesmo o diálogo pode fluir melhor entre as gerações. Não é preciso que os pais virem experts em minecraft ou fire night, por exemplo, mas ao menos que compreendam melhor os conteúdos. Além disso, com essa interação, os dados de navegação podem ser melhor entendidos nos casos em que os pais queiram evitar a negligência virtual.

3. Monitorando o ambiente virtual

Dar uma olhada no histórico das crianças também pode ser uma boa ferramenta para se evitar a negligência virtual. Aqui temos que lembrar ainda que há questões da individualidade e invasão de espaço e privacidade, mas não no caso das crianças que ainda necessitam de controle de suas ações.
A questão pode ser discutida no caso dos jovens que podem não gostar de tal controle para evitar a negligência virtual. Mas aqui podemos voltar ao diálogo entre pais e filhos, além de uma boa relação de confiança.

4. O uso dos aplicativos de controle para evitar a negligência virtual

Assim como aquela olhadinha no histórico, o uso de aplicativos de controle dos pais também pode ser controverso. Será que o zelo não pode virar invasão de privacidade? Hoje há diversos apps ‘auxiliando’ os pais que querem evitar a negligência virtual. Basta um ‘google’ para verificar as opções.
Aqui as discussões podem ser as mais diversas quanto ao usso dos aplicativos de controle. A aprendizagem dos filhos quanto aos conteúdos adequados, individualidade, a ‘falta de confiança’ entre pais e filhos, o uso de mais de uma ferramenta para acessar a internet, gerando falha no controle… Mas cabe às famílias decidirem se irão usar ou não. Que a ferramenta é benéfica para evitar a negligência virtual, ou diminuir os riscos, não há dúvidas…

E vocês, tem mais alguma dica para evitar a negligência virtual? Compartilhe conosco e com o nosso público. E, fique ligado, a cada semana trazemos novos conteúdos!